Imprimir esta página
quinta, 20 dezembro 2018 17:22

Economia e rendimento disponível das famílias cresceram nos Açores acima da média nacional

O Vice-Presidente do Governo destacou hoje, na Ribeira Grande, que, no conjunto dos últimos três anos, a economia dos Açores cresceu 8,1 por cento e o rendimento disponível bruto das famílias aumentou 10,9 por cento, ambos os indicadores acima da media nacional.

 

Sérgio Ávila salientou que estes dados, revelados recentemente pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), refletem o dinamismo da economia regional, que, “no conjunto dos últimos três anos, em termos reais, cresceu 8,1 por cento, enquanto no país cresceu 6,6 por cento”.

 

“Tivemos nos últimos três anos uma taxa média de crescimento da economia, ou seja, do Produto Interno Bruto (PIB), em termos reais, de 2,7 por cento, o que foi um valor muito assinalável, enquanto o país registou uma média de crescimento de 2,1 por cento”, frisou.

  

Para o titular da pasta da Competitividade Empresarial, que falava na assinatura do protocolo de adesão do Centro Empresarial dos Açores à Rede de Incubadora de Empresas dos Açores, os dados revelados pelo INE demonstram que está “claramente consolidada a retoma económica” na Região.

 

“Quando uma região cresce 2,7 por cento, em média, nos últimos três anos e significativamente superior ao ritmo de crescimento do país, que já de si é significativo, é sinal de que estamos no caminho certo”, afirmou Sérgio Ávila.

 

O Vice-Presidente salientou o facto de, no mesmo período de tempo e conforme o INE, se ter verificado nos Açores “um crescimento de 10,9 por cento do rendimento disponível bruto das famílias”.

 

“O que quer dizer que não há apenas crescimento económico, mas que esse crescimento económico está a gerar, felizmente, mais rendimento disponível para as famílias”, acrescentou.

 

Em termos médios anuais, esse aumento foi de 3,6 por cento nos Açores e de 2,6 por cento no país, o que significa, sublinhou o governante, que 'per capita' o rendimento disponível bruto é em 380 euros superior à média nacional.

 

Sérgio Ávila salientou ainda como outro “sinal importante” da retoma económica e do empreendedorismo que se vive nos Açores, o surgimento de novas empresas.

 

“Os Açores são a região do país em que mais empresas surgem por cada empresa que fecha, o que quer dizer que os Açores são a região do país com a maior dinâmica de surgimento de novas empresas e que o seu tecido empresarial tem progressivamente vindo a criar novos protagonistas e, essencialmente, novas ideias e novos negócios”, afirmou o Vice-Presidente.

Informação Adicional

  • Fonte: Gacs

Itens relacionados